FACCIOSO E INSENSATO

      Textos: I Coríntios 1.1-31

INTRODUÇÃO: A igreja em Corinto era, de todas as igrejas do Novo Testamento, uma das que se encontrava com enormes problemas ao tratar de cumprir a vontade de Deus, Paulo escreve as duas epístolas aos Coríntios esforçando-se para combater alguns dos problemas que acusavam aquela igreja.

I. A POSIÇÃO DA IGREJA (vv. 1-9)

a. Sua situação. (vv. 1-3)

         - Uma “igreja de Deus”

         - Composta de santos.

         - Constituídas por aqueles que estavam “chamados a ser santos”.

b. Sua adoção (vv. 4-9)

         - A graça de Deus. (v.4)

         - O enriquecimento Espiritual. (v.5)

         - O testemunho confirmado. (v.6)

         - Não inferiores a nada em muitas coisas. (v.7a)

         - Expectativa da volta do Senhor. (v.7b)

         - Salvo o dia do juízo. (v.8)

         - Em comunhão com um Deus fiel. (v.9)

II. O PROBLEMA DA IGREJA (vv. 10-31)

O problema fundamental de que adoeciam era que não estavam vivendo conforme a posição que tinham.

a. Descrição de uma divisão

         - A chave de divisões entre vós. (v.10)

         - Paulo havia informado disto (v.11)

         - É inevitável que onde há divisão haja contendas.

b. A situação

         - Quatro partidos presentes.

c. Exame e denúncia da divisão. (vv.13-17)

         Três perguntas para examinar (v.13)

                   Acaso Cristo está dividido?

                   Foi acaso Paulo crucificado por nós?

                   Fostes batizados em nome de Paulo?

         O argumento denunciado. (vv. 14-17)      

c. Soluções sugeridas. (vv. 18-31)

         Dois problemas verdadeiros envolvidos.

                   A adesão à sabedoria humana.

                   Orgulho pessoal.

         Dois problemas verdadeiros atacados.

                   Se mostra a inutilidade da sabedoria humana.

                   Se faz estourar a bolha do orgulho.

CONCLUSÃO: Esta é uma carta designada para todas as igrejas, declara que uma igreja é o resultado de uma carnalidade que se faz patente a um desejo de sabedoria humana e do orgulho da posição pessoal. A solução das divisões causadas por carnalidade reside no reconhecimento da superioridade da sabedoria de Deus e o reconhecimento da insignificância do eu.