NEGAÇÃO, CRUCIFICAÇÃO E DISCIPULADO

Texto: Mateus 16.21-28

 

INTRODUÇÃO: Houve vários “pontos de reflexão” no ministério de Cristo e nesta passagem temos um destes. “Deste então começou Jesus...” começará agora a concentrar seu ensino da crucificação, ao mesmo tempo que seu ensino toma outra direção, os discípulos entram em um novo período, de falta de entendimento.

I. ESCLARECIMENTO DA QUESTÃO (vv. 21-23)

a. A declaração de Cristo (v.21) introduz um novo elemento.

         A palavra “necessário” modificava cada cláusula do versículo. (Isto é, era necessário que fosse a Jerusalém, era necessário que fosse crucificado, etc.)

  1. A repreensão de Pedro (v.22)

Pedro chamou-lhe de lado, e começou a repreende-lo empregando uma linguagem muito energética e enfática.

O problema de Pedro era que não podia conciliar este ensino com o que Cristo havia dito em ocasiões anteriores.

Pensava que devia continuar sendo o porta voz.

  1. A repreensão de Cristo (v.23)

Cortou a Pedro em seco (Pedro não era satanás, porém havia permitido que seus lábios fossem empregados por satanás, assim neste ponto fazendo papel de satanás diante de Cristo).

         Pedro falhou ao ver as “coisas de Deus” os propósitos eternos (“é necessário” mencionado antes)

         Pedro tinha sua mente nas coisas dos homens.

Sinal de perigo.

         A possibilidade de vir a ser (ainda que seja temporariamente) um instrumento de satanás ou dos homens.

         A possibilidade de não compreender os propósitos de Deus.

         A possibilidade de pôr antes a vontade humana que a de Deus.

II. O APELO DE JESUS (v.24)

  1. Uma condição inicial.

“Se alguém quer vir após mim”.

O texto destaca que sempre há opções aos discípulos.

  1. As demandas detalhadas

“Negue-se a si mesmo”. Renuncie-se a si mesmo, como centro de interesse e atenção.

Tome sua cruz (cada dia). Leve alegremente o sofrimento, a vergonha e a renúncia.

“E siga-me”. Modele sua vida olhando na minha. (Um contraste do que Pedro acaba de fazer).

  1. As presentes implicações.

Nós também temos enfrentado uma opção de discipulado.

Nós estamos centrados nas coisas dos homens.

III. OS ARGUMENTOS DO APELO (vv. 25-28)

  1. Razão 1: “Porque todo que queira salvar sua vida a perderá”. (v.25)
  2. Razão 2: “O que aproveita o homem se ganha o mundo inteiro e perde a sua alma”. (v.26)
  3. Razão 3: “Porque o filho do homem virá na glória de seu Pai”. (v.27)

Prediz a segunda vinda, que não será somente Glória como também em Poder.

Afirmação. Seja um discípulo. Cristo virá e dará a retribuição conforme a maneira que vivemos.

“Se alguém vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me”. Mt. 16.24