O NÚMERO TRÊS RELACIONADO À VIDA DO APÓSTOLO PEDRO

I. A VIDA DO APÓSTOLO PEDRO

Pedro, que quer dizer rocha, o equivalente em aramaico é Cefas. Cristo dá o nome, Pedro ou Cefas, a Simão para designar firmeza (Jo. 1.42). Quando Pedro se mostrava fraco ou vacilante, Jesus dirigia-se a ele pelo nome original, Simão, antes do nome que significa Rocha. (Lc. 22.31).

O Apóstolo Pedro, filho de Jonas (Mt. 16.17), foi um pescador de Betsaida, na Galiléia (Mt. 4.18). O temperamento que se atribui aos galileus se patenteia na energia, independência e na demasiada franqueza de Pedro. A fala de Pedro era característica da Galiléia (Mc. 14.70). Provavelmente ele já era casado antes de ser chamado para seguir a Jesus, visto como a cura da sua sogra está escrita em Mateus 8.14, e mais tarde teria sido acompanhado pela mulher nas suas viagens missionárias (I Co. 9.5).

Quando Jesus esteve em Betânia, na outra banda do Jordão (Jo. 1.15), foi então que Cristo lhe deu o nome de Cefas (Jo. 1.42). Pedro já na qualidade de discípulo de Jesus, esteve com o mestre nas bodas de Caná (Jo. 2.1), é possível que o acompanhasse na sua viagem pela Judéia, voltando mais tarde a sua ocupação de pescador. Disto deu-se à sua chamada definitiva para o ministério, sendo Pedro incluído no número dos doze apóstolos. (Mt. 10.2)

II. A VIDA DE PEDRO COM RELAÇÃO AO NÚMERO TRÊS

         É notório nas escrituras sagradas um simbolismo numérico. Com relação ao número três, este se mostra sob diversos aspectos, a começar por Deus Trino até culminar nos três dias em que Cristo esteve sepultado, porém, na vida de Pedro esta relação mostra-se por algumas maneiras marcantes em função da sua personalidade que vacilava entre a resolução obstinada e a momentânea covardia. Citamos abaixo alguns exemplos e suas respectivas referências de fatos da sua vida particular e do comentário acima citado.

  1. Pedro participava de uma sociedade de pescaria, cujo número de sócios eram três, sendo eles: Pedro, Tiago e João. (Lc. 5.9-10)
  2. Pedro participou do primeiro grupo de discípulos chamado por Jesus, sendo o grupo em número de três. Pedro, Tiago e João. (Lc. 5.10-11)
  3. Por três ocasiões Pedro assiste a Jesus.
    1. Assiste quando Jesus ressuscita a filha de Jairo (Lc. 8.51). Este grupo formado por três discípulos.
    2. Assiste à transfiguração (Mt. 17.1). Seis dias depois, toma Jesus consigo a Pedro e os irmãos Tiago e João e os leva ao monte em particular. Esta passagem nos fala da transfiguração. Jesus tomou a Pedro e a mais dois apóstolos e os levou consigo ao monte. Aqui vemos a relação do número três, quanto ao versículo que foram três apóstolos que subiram com o mestre ao monte. Também vemos no versículo 4, que Pedro propôs a Jesus que se ele quisesse, ergueria ali três tendas, uma para Jesus, outra para Moisés e, ainda, outra para Elias. Isto pode significar não apenas três tendas, mas também as três pessoas da Trindade, que são: Pai, Filho e Espírito Santo.
    3. Assiste a Jesus no Getsêmani (Mt. 26.36), novamente três discípulos e Pedro é um deles.
  4. Pedro negou a Jesus por três vezes. Então Pedro lembrou da palavra que Jesus lhe dissera. “Antes que o galo cante, tu me negarás três vezes” (Mt. 26.75), vemos aqui Pedro negando a Cristo por três vezes, como o Mestre já havia profetizado a tempos o que ia acontecer, porém Pedro não creu. Mas sentiu na alma a dor da traição. Talvez negar a Cristo três vezes tenha sido coincidência, mas o fato é que o número três se relaciona em várias ocasiões com a vida do apóstolo Pedro dentro da Bíblia.
  5. Por três vezes Jesus se dirige a Pedro para o interrogar:
    1. Quando confessa que Cristo é o Senhor. (Mt.16.16)
    2. Quando interroga sobre o tributo. (Mt. 17.27)
    3. Quando Jesus o interroga, se verdadeiramente o ama. Pergunta mencionada por três vezes. (Jo. 21.15)
  6. Pedro é repreendido por Jesus três vezes.
    1. Quando Jesus cita a respeito da sua crucificação e Pedro tenta impedi-lo, Jesus responde: “Arreda-te satanás”. (Mt. 16.22)
    2. Quando da lavagem dos pés dos discípulos, Pedro não quis deixar, Jesus lhe diz: “Se eu não te lavar, não tens parte comigo”. (Jo. 13.8)
    3. Quando corta a orelha de Malco, Jesus lhe diz: “Não beberei eu do cálice que o Pai me deu?” (Jo. 18.10-11)
  7. Jesus aparece junto ao mar de Tiberíades a três discípulos, sendo Pedro um deles. (Jo. 21.2)
  8. Pedro prega no dia de pentecostes e quase três mil almas se convertem. “Então os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo de quase três mil pessoas”. (At. 2.41)
  9. Após uma visão dada por Jesus, Pedro ouve uma voz que por três vezes lhe diz que não deveria fazer imundo o que Deus havia purificado. (At. 10.11-16)
  10. Pedro menciona o nome de três patriarcas: Abraão, Isaque e Jacó. (At. 3.13)
  11. Em sua primeira epístola, Pedro cita por três vezes a frase. “Sede sóbrios e vigilantes”. (I Pe. 1.13; 4.7 e 5.8)
  12. Três milagres na vida de Pedro:
    1. Cura de um coxo. (At. 3.8)
    2. Revelação da mentira de Ananias e Safira. (At. 3.51)
    3. Libertação milagrosa da prisão. (At. 5.17)
  13. Foi na hora nona (três da tarde) que Pedro e João subiam ao templo para oração, foi quando através de Pedro houve um milagre. (At. 3.1-10)
  14. O número três não era um símbolo, servia para dar ênfase, repetindo a expressão três vezes, como se vê em: Isaías 6.3 e Jeremias 7.4.
  15. Em comum com os primeiros discípulos de Jesus, Pedro recebeu três chamadas distintas de seu Mestre.
    1. Primeiro para ser discípulo. (Jo. 1.40)
    2. Segundo para acompanha-lo em sua missão. (Mt. 4.19)
    3. Terceiro para ser apóstolo. (Mt. 10.2)

CONCLUSÃO: O livro de Atos encerra as notícias a seu respeito, por ocasião do concílio de Jerusalém. (At. 15), quando defendeu a causa dos gentis, geral aprovação.

Depois sabe-se que esteve em Atioquía (Gl. 2), talvez em I Co. 1.12, e com certeza no extremo oriente em Babilônia (I Pe. 5.13), prosseguindo na sua obra missionária em companhia de sua esposa (I Co. 9.5). Sabe-se finalmente que ele glorificou a Deus sofrendo o martírio. (Jo. 21.19).

A história pouco acrescenta ao que já sabemos pelos evangelhos e pelas epístolas de acordo com a profecia referente ao seu martírio, continua no capítulo 21.19, de São João. Diz a história que ele foi crucificado. Pedro adquiriu tão grande destaque por causa de seu andar de ânimo, seu espírito de consagração, coragem, vigor físico e a impetuosidade de seu gênio. Um grande exemplo de vida nos deixou o Apóstolo Pedro.

“Confia ao Senhor as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos”. Pv. 16.3